Papo de Valor

Investimentos no prejuízo… e agora?

Neste artigo pretendo trazer um pouco de clareza para a sua tomada de decisão, quando o assunto é: o que fazer se meus investimentos estão dando prejuízo?

Desde fundos de investimentos classificados como conservadores até os investimentos em renda variável, os resultados de rentabilidade (em geral) tem sido bastante diferentes daqueles aos quais estávamos acostumados – e bastante ruins, diga-se de passagem. O gráfico abaixo ilustra o comportamento da bolsa de valores no Brasil nos últimos anos.

Fonte: Comparador da Vérios

É nítido que não vivemos nada parecido com essa “íngreme cascata” desde a crise do subprime em 2007-2008. Pra se ter uma ideia, o Ibovespa fechou o mês de março registrando uma queda de 29,9% e foi a maior queda em um único mês desde 1998.

Pra que fique um pouco mais claro: uma pessoa que tinha 10 mil reais no início de março em algum investimento que replicasse o comportamento do Ibovespa fechou o mês com algo próximo de 7 mil reais. Não é à toa que o pânico sobressaiu.

Mas como se decidir sobre o que fazer? Aqui vou sugerir alguns passos e perguntas a se fazer que possam nortear as suas escolhas.

Por que você escolheu este investimento originalmente? O seu objetivo mudou?

Para a escolha de qualquer investimento ser acertada a principal pergunta a se fazer antes de investir é: para que é este dinheiro? Com essa pergunta respondida é possível ter mais clareza sobre quais são as características essenciais que você busca.

Por exemplo, se você pretende juntar dinheiro para comprar um carro à vista daqui um ano, é imprescindível buscar um investimento com alta liquidez (resgate rápido) e que não oscile tanto, afinal o dia da compra já está logo ali.

Se o objetivo é poupar para a aposentadoria, pode ser que faça sentido uma boa previdência privada com tributação regressiva, já que assim dá pra pagar menos impostos que na maioria dos investimentos, além do débito automático tão facilitador.

E entendendo isso sugiro que você olhe para o seu investimento que hoje lhe desagrada e se questione se o seu objetivo mudou. Se não, então provavelmente aquele investimento continua sendo adequado. Agora, se o seu objetivo mudou (ou se você não tinha se feito a pergunta inicial antes de investir), continue lendo que outras perguntas ainda precisam ser feitas.

Você irá precisar do dinheiro por agora?

Se você não precisa deste dinheiro por agora, a rentabilidade negativa em um curto período de tempo não é motivo suficiente para justificar o resgate. Afinal, a perda de dinheiro só se materializa e “vira verdade” quando você solicita o resgate (ou faz a venda) dos ativos. Caso você deixe o dinheiro por lá existe a chance de, ao longo do tempo, você recuperar o valor investido (ou de perder mais ainda!).

Para explicar porque o prejuízo só se realiza quando há resgate vou usar um desenho e também um investimento em específico, o BOVA11, que é uma ETF, ou seja, um fundo que – em seu caso – replica o comportamento do Ibovespa.

Qualquer pessoa que solicite o resgate do seu dinheiro do BOVA11 hoje (na data de 07/05/2020) encara a bolsa a 78.119 pontos. É importante levar em consideração na análise a data em que se realiza o investimento. Afinal, uma pessoa que realizou o aporte no primeiro dia útil de 2009 encontrou a Ibovespa a 37.550,31 pontos, e ao efetuar o resgate na data atual realiza uma rentabilidade positiva de 108,04%.

Esta é uma realidade bem diferente da pessoa que faz resgate no mesmo dia, mas realizou o aporte no primeiro dia útil de 2020 e que, por ter entrado com a bolsa a 115.652 pontos, abandonaria a mesma com uma rentabilidade de negativa de 32,45%.

Isso explica porque esperar pode ser uma boa estratégia. Independentemente dos altos e baixos que vierem nos próximos tempos, se você se realizar o resgate apenas quando a pontuação da bolsa superar aquela da data de sua entrada, então você realiza lucro (aqui estou desconsiderando as taxas de corretagem, custo de oportunidade e inflação).

Usei o exemplo da bolsa, mas essa explicação também serve para ações separadamente, fundos de investimentos, entre outros.

Claro que, se propondo a esperar, você também está sujeito ao risco de incorrer em baixas ainda maiores e quem sabe até nunca recuperar o valor total investido. Por isso é tão importante buscar entender como funcionam os investimentos na bolsa de valores e os ciclos econômicos do mercado antes de começar a investir em renda variável.

Bom, toda a explicação acima foi pra indicar o porquê esperar pode fazer sentido, mas isso só serve para o caso de não precisar do dinheiro por agora, não é mesmo?

Caso o dinheiro na carteira seja urgente, o resgate acaba sendo necessário (por mais desfavorável que seja a situação). Mas, antes de dar este passo, é muito importante olhar para o que está acontecendo no seu dia a dia.

Buscar maneiras pensar o seu orçamento de maneira estratégica e também de economizar em sua rotina pode ser um meio de não mexer nos seus investimentos ou ao menos realizar resgates de maneira mais gradual e que te gere uma maior segurança. Clicando neste link você tem acesso a um ebook gratuito desenvolvido pela Papo de Valor com 41 dicas para reduzir seus gastos, na crise ou fora dela. Que tal começar por aí?

Você está incomodado com o desempenho de seus investimentos?

Cada um de nós somos indivíduos únicos com crenças diferentes, objetivos diferentes, realidades diferentes e também – por que não? – predisposições a riscos diferentes.

Isso significa que o tanto que eu fico confortável em correr riscos é diferente do seu tanto. Sem certo e errado. Sem julgamentos. Tem gente que diante desta queda da bolsa aceita que faz parte do jogo e acha que está tudo bem, outra boa parte sente um desconforto excessivo.

Se isso aconteceu com você, é possível que você tenha assumido riscos maiores do que o que seria adequado. Neste caso, não existe razão em ter vergonha de reconhecer o erro e repensar a sua estratégia e alocação de investimentos.

Entenda as características do seu investimento

Cada tipo de investimento se comporta de um jeito. É praticamente impossível comparar o comportamento de ações com o de um CDB, por exemplo. Portanto, antes de seguir regras prontas do tipo “não resgate” ou “tire antes que abaixe demais” é indispensável entender qual é o tipo de investimento que você tem e quais são as características do mesmo.

Nos casos dos Fundos de Renda Fixa de Crédito Privado (FIRF CP) a Papo de Valor gravou uma aula gratuita de aproximadamente 30 minutos explicando o comportamento destes fundos nos últimos tempos.

Destaco que, no caso de fundos de investimentos em geral, entender a estratégia da empresa gestora é muito importante, e é possível ter essas informações através da Carta do Gestor (normalmente disponível no site). Esse é um material que a instituição responsável por gerir o patrimônio do fundo publica de tempos em tempos a fim de expor dados sobre o desempenho do fundo, a estratégia adotada, comentários sobre a economia, entre outros.

A sua decisão final depende do “todo”

Seria no mínimo imprudente apontar uma resposta única que indicasse o que todos deveriam fazer com o seu próprio dinheiro. Somos pessoas com diferentes rendas, gastos, experiências, investimentos e conhecimentos, tudo é diferente. É impossível existir uma pessoa igual à outra. E é por isso que este texto foi escrito objetivando abrir um leque de possibilidades, e não afunilando para uma resposta simplista e rasa.

Portanto, caso você tenha sentido a necessidade de aprofundar conhecimento para o SEU caso, saiba que temos um time completo para te ajudar oferecendo atendimento particular, onde a gente olha pra sua realidade e busca, juntos, levando em consideração não só aspectos técnicos, mas também aqueles que nos fazem humanos (nossas emoções). Caso se interesse na consultoria financeira, clique aqui e preencha algumas poucas informações. A partir daí entramos em contato e marcamos um café (ainda que à distância).

Gostou do texto? Comenta aqui. E se tiver qualquer dúvida, não deixe de registrar.

Lorena Pires

Consultora Financeira Pessoal da Papo de Valor. Acredita que por mais “exata” que seja a matemática, nem tudo são números. Atuar ajudando pessoas a se organizar financeiramente – e consequentemente colaborar para que tenham uma vida mais livre – é seu principal propósito.

Comente!

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Clique para saber mais sobre a consultoria