Um papo sobre finanças e transição de carreira

Seja por não se identificar totalmente com a carreira escolhida ou para aumentar a capacidade de ganhos. Seja por não se adequar mais à rotina corporativa ou por necessidade, fato é que o processo de uma transição de carreira, de se tornar autônomo ou abrir um negócio não é exatamente fácil, e costuma ser mais desafiador do que parece.

E um dos principais pontos a serem observados é o contexto financeiro: se as finanças vão bem, tendem a trazer mais segurança e jogo de cintura para lidar com as situações. Mas se o financeiro não traz segurança, a instabilidade de toda a situação cresce exponencialmente.

Se você está pensando no assunto ou em meio a essa transição, separei algumas sugestões e pontos de reflexão que surgiram a partir de processos que acompanhei ao longo das consultorias e da mentoria para autônomos e até da minha experiência pessoal:

Qualquer mudança é começar de novo

Lembra quando você era estagiário e ainda estava aprendendo quem era verdadeiramente referência no seu mercado e quem era só famoso mesmo? E que você precisava mostrar serviço, estar em vários lugares, se fazer conhecer, ser curioso? é nesse ponto que você vai estar agora.

Com mais maturidade e mais bagagem, mas é do zero que você vai partir. Independentemente de você pesquisar muito e fazer diversos cursos (mas isso vai te ajudar bastante tecnicamente).

Aliás..

Pesquise muito e crie o processo

Estude o máximo que puder antes de decidir mudar. Converse com quem já faz o que você está pensando em fazer. Se for uma empresa, tente se sentar no lugar onde o seu concorrente atende, seja cliente se você ainda não for, observe muito.

Mas um ponto importante aqui é: alinhe as suas expectativas, entenda que é um processo, e que como já disse no item anterior, você vai começar pequeno. Não compare o seu primeiro ano de atividade com o seu amigo ou seu concorrente depois de 5 ou 10 anos de negócio.

Agora, partindo dessa premissa e da sua pesquisa, pegue um papel e uma caneta e crie a sua escadinha. Pense aonde quer chegar e por onde pode começar. Se faça muitas perguntas, divida esse longo processo em pequenas etapas e:

Faça as contas e seja bem realista (ou tente ser)

Olha, se tem um ponto muito importante nessa mudança são os números! e são eles que mais trazem a frustação para quem não se organizou (ou não conseguiu se organizar) antes.

Considerando o mercado em questão, qual preço você pode cobrar? Quantos clientes terá no primeiro mês? E em um ano? Isso te dá um plano e uma previsão sobre o que será possível nesse primeiro momento.

Mas é importante lembrar que um plano é apenas um cenário, que por definição é otimista. Essa frase não é minha, é do Daniel Kahneman, vencedor do prêmio Nobel de Economia de 2002.

Segundo ele nós, indivíduos, superestimamos os nossos próprios talentos e nos julgamos “acima da média” em nossas características e habilidades, e esse excesso de autoconfiança pode nos levar a imaginar que iremos conseguir, facilmente, superar imprevistos de toda natureza – falei mais sobre o assunto nesse artigo.

Por isso é muito importante não só ter um plano, mas um plano bem realista – entendendo que aqui ele já estará bem carregado de otimismo.

Se prepare financeiramente

Independente da sua situação atual, é bem provável que ela seja mais previsível do que será nos meses após a mudança. E essa imprevisibilidade irá atingir em cheio a sua vida financeira. Se organizar financeiramente é tomar um bom gole de oxigênio antes do mergulho.

O primeiro conselho sobre isso é unanimidade: crie uma reserva financeira. É ela que vai te dar o suporte necessário enquanto você faz os testes e se organiza na nova realidade, sem haver desespero de no primeiro imprevisto precisar voltar correndo para o formato em que você estava antes (na nossa Escola de Finanças temos um curso para te ajudar de forma certeira com a sua reserva).

O indicado é que ela contemple pelo menos 12 meses do seu custo de vida mensal  – que nesse momento vai abraçar as suas despesas pessoais e com o seu novo negócio.

Nesse ponto há uma outra sugestão: abaixe o seu padrão de vida. No momento você frequenta academia, natação e pilates? Frequenta restaurantes um pouco mais caros todo final de semana? Troca de carro a cada 3 anos ou viaja algumas vezes nas férias? Pense a respeito nesse momento de transição.  Ele é delicado, por isso é indicado que você realmente diminua suas despesas, dentro do possível.

Isso vai te ajudar a ter dinheiro extra para poupar para a reserva, a alcançar o valor total da reserva necessária mais rápido (uma vez que seu custo de vida mensal está menor) e a conseguir pagar as suas contas pessoais com o novo negócio o quanto antes. Lembrando que é um momento que vai passar e o plano é que com tudo mais estruturado, seu orçamento volte ao normal – com sua academia, restaurantes, viagens e trocas de carro.

ps: a academia, o pilates, o restaurante, a troca de carro.. tudo isso são exemplos, ok? Nenhum problema com esses itens em específico, apenas traga essa sugestão para a sua realidade.

Divulgue para os seus amigos, mas não conte com eles

Normalmente as pessoas mais próximas são os nossos primeiros clientes. Elas já nos conhecem e tendem a confiar mais no nosso trabalho inicialmente. Ter essa rede de apoio e indicações no começo é muito importante.

Mas não aposte todas as suas fichas nisso. Nem todos os nossos amigos querem ou precisam do que vamos oferecer. Alguns vão divulgar, outros não. Alguns irão conhecer por curiosidade (e apoio a você) e só. Já presenciei negócios que não se sustentaram porque estavam construídos somente sobre as relações com pessoas próximas.

Além disso, no início existe uma demanda reprimida ou um certo frisson (temos uma palavra chique no meio do texto, gente!) dos seus conhecidos que querem te apoiar, o que traz uma sensação de que esse resultado inicial vai se repetir todos os meses. E fica aqui o alerta: é bastante comum não se repetir logo nos próximos.

Alguns conselhos pessoais

Para além de conselhos técnicos, gostaria de encerrar esse texto passando por 3 sugestões da minha experiência pessoal:

  1. Tente não se comparar aos seus amigos e familiares que não estão em fase de mudança. As pessoas próximas não estão passando pelo mesmo momento que você. Elas vão continuar indo aos restaurantes chiques e trocando de carro e viajando em todas as férias (lembre: isso são exemplos). Nem sempre é fácil, mas se lembre do porquê você não está fazendo o mesmo que elas e de que essas restrições fazem parte de uma fase (ou pelo menos é para ser).
  2. Crie uma rede que te apoie. Ninguém irá passar por essa mudança, apenas você. Mas ter pessoas que te apoiam fazem muita diferença (saber que tem alguém que te ofereceria o sofá por algumas semanas se for preciso acalma bastante em alguns momentos).
  3. Molhe o pé antes de mergulhar. Se for possível, teste essa nova situação ao máximo antes de mudar tudo. Se a ideia é pedir demissão e se tornar autônomo, teste a nova carreira e o novo formato antes. Trabalhe ao máximo na nova atividade nos seus horários de folga, teste o formato por completo no seu período de férias. Se o plano é abrir um negócio físico, tente vender uma pequena amostra, com o que puder no momento – sinta o mercado e entenda se realmente é para você.


Uma observação nesse ponto. Na minha experiência pessoal, o resultado que buscava só aconteceu quando eu foquei 100% no novo negócio – para mim, dividir a atenção não era um bom caminho. Mas para grande parte das pessoas o mais sensato é só fazer a mudança quando o novo negócio se mostrar realmente rentável. Essa segunda opção é infinitamente menos arriscada.

Independente dos meus conselhos essa fase será cheia de descobertas – algumas felizes e outras nem tanto. Mas se organizar de forma realista para esse momento aumenta muito a chance não só do negócio alcançar os resultados que você deseja, mas de que esse processo seja menos doloroso e frustrante.

Se você quer se organizar para esse momento ou justamente percebe que o financeiro do negócio não está acompanhando o que você havia planejado, nosso trabalho é resolvermos isso juntos. Vai ser um prazer te apoiar através da consultoria, da mentoria para autônomos ou de um papo tranquilo nas nossas redes sociais.

Larissa Brito

Planejadora Financeira na Papo de Valor, é apaixonada por gestão financeira e acredita que isso fala mais de pessoas do que de números. Com foco em autônomos e empresas, sonha com que cada negócio leve o seu máximo potencial para o mundo, trazendo retorno financeiro, é claro!

Comente!

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.